SUA RENDA ESTÁ SEGURA CONTRA A AMEAÇA DA INFLAÇÃO? ENTENDA POR QUE A MAIORIA INVESTE ERRADO E APRENDA COMO VENCER A INFLAÇÃO.

Como vencer a inflação? Preparamos um artigo completo que vai te explicar:

  • Porque a inflação corrói o poder de compra da sua renda e joga contra seus objetivos financeiros;
  • Os investimentos que você não deve aplicar de jeito nenhum, caso queira vencer a inflação;
  • Onde aplicar seu dinheiro para vencer a inflação e ainda obter rentabilidade real.

Se interessa a você garantir um futuro financeiro tranquilo, recomendo ler este artigo.

TEM MEDO DE MONSTRO?


como vencer a inflação

Nos últimos anos o controle da inflação deu ao brasileiro a chance de planejar com maior tranquilidade a utilização do dinheiro.

Inflação é o aumento no nível geral de preços, que como consequência reduz o poder de compra da moeda.

Entretanto, após alguns anos de estabilidade, a inflação oficial do Brasil voltou ao patamar de dois dígitos em 2015 (IPCA de 10,67%), algo que não acontecia desde 2002.

IPCA: Índice de Preços ao Consumidor Amplo, calculado pelo IBGE, é o índice de inflação oficial do país. Para saber mais sobre o IPCA, clique AQUI.

E o que isso significa? Que você tem algo com o que se preocupar!

O Banco Central trabalha com uma meta de inflação anual em torno de 4,5% ao ano, admitindo uma variação de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Ou seja, quando você ouve nos noticiários que a inflação “estourou o teto da meta”, significa que ela ultrapassou o limite superior do intervalo de tolerância, no caso 6,5%.

Bem, se você é do tipo que fica mais atento às notícias econômicas, há muito já está ciente que os planos e previsões do Banco Central para 2015 foram uma grande furada!

Para 2016 a meta é a mesma. Você acredita que será cumprida?

O ceticismo é uma atitude sadia e apropriada quando lidamos com a nossa saúde financeira, sobretudo quando o histórico recente de quem promete não merece o nosso crédito.

Mas ceticismo sem informação te paralisa. Você precisa entender porque acredita ou não acredita em algo.

E por isso é importante que você invista na sua educação financeira. Aqui você vai encontrar as informações que os ricos conhecem e que estão fora do radar da maioria das pessoas.

Muitos não consideram a inflação ao projetar o orçamento e os investimentos.

Essa omissão compromete as expectativas quanto ao real poder de compra do dinheiro ao longo do tempo. Se você fizer uma projeção do seu custo de vida no ano que vem, ganhando o mesmo salário de hoje e omitindo a inflação, a chance de se frustrar beira o 100%.

A inflação é especialmente prejudicial para a qualidade de vida das pessoas que apresentam pelo menos uma destas duas características:

  • Vivem unicamente do salário, sem rendas alternativas;
  • Não sabem investir.

É bastante comum ver as empresas reajustando salários abaixo da inflação. Muitos funcionários até comemoram, ignorando o fato desse reajuste reparar apenas uma parte de suas perdas.

Da série Exercício de Lógica ou A Hipocrisia da Matéria…

  1. Se corrigir abaixo da inflação é o mesmo que reduzir o salário; e
  2. Reduzir o salário é ilegal.

“∴” Porque corrigir abaixo da inflação é permitido?

Nesse aspecto em específico a situação dos servidores públicos é ainda pior. Diferente de boa parte dos trabalhadores do setor privado, os servidores não possuem data-base para correção de seus vencimentos. Essa é uma das razões pelo qual o instrumento da greve é tão utilizado por esses trabalhadores.

Por que quem não sabe investir sente mais os efeitos da inflação? Quem não sabe investir é mais dependente do salário que recebe a cada mês, enquanto as pessoas que possuem educação financeira conhecem alternativas para proteger o poder de compra do dinheiro e obter rendimentos de aplicações que superam a inflação.

Continue lendo para entender.

INFLUÊNCIA DA INFLAÇÃO NA SUA VIDA: ENCONTRE UMA OU MAIS SITUAÇÕES QUE VOCÊ SE IDENTIFICA. A DICA FINAL É PARA TODOS.


É locador?

como vencer a inflaçãoSe você é dono de um imóvel alugado deve saber que o valor do seu aluguel é reajustado anualmente pelo IGP-M (você que é proprietário sabe, não?) 🙂

IGP-M: Índice Geral de Preços do Mercado, calculado pela Fundação Getúlio Vargas. Utilizado para correção de contratos de aluguel. Para saber mais sobre o IGP-M, clique AQUI.

Isso significa que sua renda proveniente do aluguel está protegida da inflação.

Portanto, se você tem dinheiro perdendo o jogo para a inflação, em quantidade suficiente para a aquisição de um imóvel com potencial para locação, recomendo que estude com carinho essa possibilidade.

É inquilino?

como vencer a inflaçãoApesar da inadimplência de inquilinos por todo o país crescer na medida em que a economia anda desaquecida, muitas situações poderiam ser evitadas se as pessoas considerassem o efeito da inflação em suas contas.

Se você assina um contrato de locação de três anos, por concluir que sua atual capacidade de pagamento é suficiente para o aluguel, mas desconsidera a cláusula de reajuste do contrato, estará assumindo um grande risco.

A pergunta que você sempre deve fazer a si próprio é: vou ter um reajuste salarial ou vou conseguir aumentar meus rendimentos no valor necessário para honrar o reajuste do segundo e terceiro ano do contrato?

Não ter essa resposta ou sequer pensar nessa pergunta pode lhe trazer muita dor de cabeça no futuro. Pesquise o IGP-M passado e as perspectivas futuras para estimar o valor do aluguel nos próximos anos e concretamente avaliar se ele caberá na sua renda.

Vai vender seu imóvel?

como vencer a inflaçãoImóveis são patrimônios de baixíssima liquidez. Liquidez é a velocidade que determinado ativo (patrimônio) pode ser transformado em dinheiro.

Você já deve ter observado no seu bairro alguns imóveis cuja plaquinha de vende-se está lá, intocável, há vários meses ou até anos.

Um imóvel que durante todo o ano de 2015 permaneceu à venda pelo preço de R$ 200 mil, perdeu, graças à inflação de 10,67%, quase R$ 20 mil em poder de compra.

Em números absolutos os R$ 200 mil de um ano atrás continuam sendo R$ 200 mil hoje, mas comprarão somente o que era possível comprar com R$ 180 mil um ano atrás. Entendeu?

Considerando isso, se você quer vender um imóvel, deve avaliar dois cenários:

1. Ao longo dos meses, corrija o valor do seu imóvel.

FipeZap: Principal referência de preços anunciados de imóveis, o índice FipeZap é calculado pela Fipe com base nos anúncios publicados na página do ZAP Imóveis e em outras fontes da Internet. Para saber mais sobre o FipeZap, clique AQUI.

A valorização imobiliária é influenciada por fatores específicos de cada cidade ou região. Não existe uma correlação direta entre o preço dos imóveis e o ritmo da inflação. No último ano o preço médio dos imóveis acumulou queda real em relação à inflação, o que nos leva ao segundo cenário:

2. Existindo a tendência de queda real no preço médio dos imóveis ou encontrando dificuldades em vender o seu, considere a possibilidade de reduzir o preço. Pode ser melhor perder 5% hoje do que 10% daqui a um ano.

Pense no nosso exemplo anterior. Tivesse o imóvel de R$ 200 mil sido vendido por R$ 190 mil um ano atrás, e essa quantia investida de imediato e corretamente, teríamos hoje um valor, já corrigido pela inflação, superior a R$ 210 mil.

Como? Continue lendo o artigo.

Possui FGTS?

como vencer a inflaçãoO FGTS é um dos piores “investimentos” que existe. É preciso muita boa vontade para chamar de investimento algo que é aplicado compulsoriamente em um local que você não escolheu.

E certamente não haveria nenhuma razão para alguém escolher uma aplicação que rende apenas 3% ao ano + taxa referencial (que é irrisória), ou seja, que perde feio para a inflação e até para a poupança.

Tramita no Congresso um projeto que visa igualar o rendimento do FGTS com a poupança. É o péssimo que pode se tornar ruim. Torçamos então!

O FGTS pode ser sacado em situações específicas previstas em Lei, todas por fatores alheios à vontade do dono do dinheiro, exceto uma.

Acompanhe as situações onde é possível sacar o fundo:

  • Na demissão sem justa causa;
  • No término do contrato por prazo determinado;
  • Na rescisão do contrato por extinção total da empresa; supressão de parte de suas atividades; fechamento de quaisquer de seus estabelecimentos, filiais ou agências; falecimento do empregador individual ou decretação de nulidade do contrato de trabalho – inciso II do art. 37 da Constituição Federal, quando mantido o direito ao salário;
  • Na rescisão do contrato por culpa recíproca ou força maior;
  • Na aposentadoria;
  • No caso de necessidade pessoal, urgente e grave, decorrente de desastre natural causado por chuvas ou inundações que tenham atingido a área de residência do trabalhador, quando a situação de emergência ou o estado de calamidade pública for assim reconhecido, por meio de portaria do Governo Federal;
  • Na suspensão do Trabalho Avulso;
  • No falecimento do trabalhador;
  • Quando o titular da conta vinculada tiver idade igual ou superior a 70 anos;
  • Quando o trabalhador ou seu dependente for portador do vírus HIV;
  • Quando o trabalhador ou seu dependente estiver acometido de neoplasia maligna – câncer;
  • Quando o trabalhador ou seu dependente estiver em estágio terminal, em razão de doença grave;
  • Quando a conta permanecer sem depósito por três anos ininterruptos cujo afastamento tenha ocorrido até 13/07/90, inclusive;
  • Quando o trabalhador permanecer por três anos ininterruptos fora do regime do FGTS, cujo afastamento tenha ocorrido a partir de 14/07/90, inclusive, podendo o saque, neste caso, ser efetuado a partir do mês de aniversário do titular da conta;
  • Na amortização, liquidação de saldo devedor e pagamento de parte das prestações adquiridas em sistemas imobiliários de consórcio;
  • Para aquisição de moradia própria, liquidação ou amortização de dívida ou pagamento de parte das prestações de financiamento habitacional.

– Rômulo, se a rentabilidade do Fundo de Garantia é inferior à inflação, devemos sacá-lo integralmente assim que possível, certo?

Certíssimo!

Se você puder sacá-lo, faça-o agora!

– Tá, mas onde aplicar o dinheiro para finalmente bater a inflação? É isso que você vai descobrir no final do artigo. Continue lendo.

Percebeu que eu destaquei a última das situações em que é possível utilizar o FGTS?

Se você não reunir nenhum dos motivos que permita o saque do FGTS, avalie a possibilidade de comprar um imóvel com potencial de valorização. Você ainda poderá alugá-lo, com grandes chances de facilmente superar o rendimento do fundo de garantia.

Possui dinheiro parado na conta corrente, aplicado na poupança ou em títulos de capitalização?

como vencer a inflaçãoDinheiro parado na conta corrente só é opção melhor que dinheiro debaixo do colchão. Não existe absolutamente nenhum motivo para isso.

Mesmo o dinheiro do dia a dia, que só está esperando ser sacado para pagar as contas do mês, merece ter a oportunidade de render alguns trocados. Vai que sobre?

Mas isso só acontecerá se ele estiver na poupança. É para isso que ela serve (só para isso!). A poupança tem a mesma liquidez da conta corrente (você pode sacar o dinheiro quando quiser), com a vantagem de pelo menos render algum jurinho.

Agora, se você possui dinheiro que não vai precisar tão cedo e só está lá parado porque você não sabe o que fazer com ele, nem a poupança serve!

Frequentemente converso com pessoas que temem sair da poupança, por não se sentirem seguras sobre que destino dar ao dinheiro.

Se você possui alguma quantia aplicada na poupança ou em uma coisa abominável chamada título de capitalização, saiba que você está sendo roubado.

São produtos com rentabilidades muito baixas, mesmo quando comparados a outros investimentos com o mesmo perfil de risco.

E o pior é que ambos estão perdendo para a inflação (o título de capitalização perde sempre).

Falando nele, o título de capitalização é um produto financeiro que não retorna juros, mas tão somente a “oportunidade” de participar de sorteios.

Quem não ganha o sorteio “recupera” o dinheiro que pagou no fim da vigência do título, descontado do rateio do prêmio, dos custos administrativos e do lucro da instituição.

Como em uma aposta de loteria, é um “investimento em esperança”, cuja chance de perder é enormemente maior que a de ganhar. Conscientize-se que título de capitalização não é e nunca foi investimento.

De acordo com o Relatório Focus divulgado na última sexta-feira (05/02), a previsão para a inflação nos próximos doze meses é de 7,56%, portanto, superior ao teto da meta do governo (lembra-se, no início do artigo?).

Relatório Focus: compêndio de projeções econômicas organizado pelo BACEN, que reflete as expectativas dos agentes financeiros sobre os principais indicadores da economia, com destaque para o IPCA. Para saber mais sobre o Relatório Focus, clique AQUI.

Isso significa que se você continuar deixando dinheiro aplicado na poupança, ou pior, em títulos de capitalização, existe uma enorme possibilidade dele valer menos daqui a doze meses.

Portanto, poupança para o longo prazo nem pensar! Poupança só é útil como conta corrente. Internalize isso.

Então onde aplicar para ganhar da poupança e da inflação?

Estamos quase lá…

Quer acumular patrimônio para obter boa renda na aposentadoria?

como vencer a inflaçãoDinheiro que sobra sem objetivo não faz muito sentido. E um dos objetivos mais comuns de todas as pessoas é se planejar financeiramente para manter (ou melhorar) o padrão de vida quando chegar a aposentadoria.

Se você não pensa nisso, meu amigo, minha amiga, te convido a começar AGORA.

Um dos grandes motivos para isso, claro, é a inflação.

Para muitos investidores o tão sonhado primeiro milhão é uma meta de vida. Alguns até acreditam que com esse valor poderão se aposentar e viver de renda o resto da vida. Mas será?

O que muitos se esquecem é que hoje o poder de compra de um milhão de reais é muito superior do que será daqui a quinze anos, por exemplo.

Você pode até acreditar que um milhão de reais resolva sua vida hoje, mas se daqui a quinze anos esse valor for o suficiente para comprar apenas metade do que compra hoje, será que você estará realmente com a vida ganha?

Esse é um dos motivos pelo qual pessoas que ganham fortunas de um dia para o outro perdem dinheiro rapidamente. Por falta de educação financeira, muitas não sabem como manter o poder de compra do dinheiro recebido.

Situação bem diferente daqueles que enriquecem aos poucos, que através da experiência conseguem aprender com os erros e se especializar em gerar renda e superar a inflação.

Voltando à aposentadoria, você sabia que o custo de vida dos aposentados costuma crescer bem acima da inflação?

Um dos motivos para isso são os planos de saúde. Para você ter uma ideia em 2015 a ANS autorizou um reajuste de 13,55% nos planos de saúde, ao passo que, no ano anterior, a inflação foi de 6,41%. Ou seja, um completo absurdo, você concorda?

Só nos últimos dez anos os planos de saúde aumentaram quase 200%! É isso mesmo que você leu. Um verdadeiro assalto!

E considerando que nesse período a maioria dos clientes mudou de faixa etária, o assalto passa a conter requintes de crueldade.

Especialmente quando os beneficiários alcançam a última faixa etária (59 anos ou mais), momento em que os reajustes chegam a alcançar 70% de aumento, assim, de um dia para o outro.

Você lembra quanto era o seu salário há dez anos atrás? Ele aumentou três vezes para o que é hoje?

Estou certo que você já entendeu que a situação é um grande desafio. Afinal, o que fazer? Onde investir para ganhar da inflação pensando na aposentadoria?

ESTRATÉGIA PARA TODOS QUE QUEREM VENCER A INFLAÇÃO. APRENDA ONDE INVESTIR PARA GARANTIR SEU PODER DE COMPRA E AINDA GANHAR DINHEIRO


como vencer a inflação

Ainda não é possível afirmar que a inflação de 2016 será maior ou menor que a de 2015, mas certamente será elevada e acima do teto da meta do governo de 6,5% a.a.

A esta altura acredito que já ficou claro para você que leu atentamente o artigo que um investimento só é rentável quando rende acima da inflação.

Existem muitas formas de se investir visando esse objetivo, mas apenas uma categoria de investimentos te proporciona segurança superior à poupança.

São os títulos públicos.

Títulos públicos são ativos de renda fixa emitidos pelo Governo Federal, integralmente garantidos pelo Tesouro Nacional, razão pela qual são considerados os investimentos mais seguros do país. Para saber mais sobre os títulos públicos, clique AQUI ou AQUI.

Determinados títulos públicos permitem que o investidor se proteja da inflação e obtenha rentabilidade real, como é o caso do Tesouro IPCA.

Esse título garante a manutenção do poder de compra do dinheiro investido, pois o valor é corrigido pela inflação, e você ainda recebe juros, conforme a taxa pactuada no momento da compra.

Está lembrado que em 2015 a poupança perdeu para a inflação e que isso tem uma grande chance de se repetir em 2016?

Pois bem, agora me refiro à oportunidade que você tem de ver o seu dinheiro crescer no mesmo ritmo da inflação, e ainda ganhar juros!

Atualmente o Tesouro IPCA está garantindo uma rentabilidade de mais de 7% ao ano acima da inflação!

Ou seja, ele garante um rendimento de 7% + IPCA, cuja previsão atual para os próximos doze meses está em 7,56%. Confirmando essa previsão, no total, o título renderá aproximadamente 15,08% nos próximos doze meses. Parece bom, não?

Os títulos indexados ao IPCA são uma das melhores opções para previdência privada. Isso porque para objetivos de longo prazo, você deve buscar obter ganhos acima da inflação de forma consistente. Investindo nesse título você consegue essa consistência.

Rentabilidade do Tesouro IPCA

Como você já deve ter percebido, o Tesouro IPCA é um título cuja rentabilidade é calculada através de duas taxas: uma fixa e outra variável.

A taxa fixa já é conhecida no momento da compra do título. Representa a rentabilidade real (acima da inflação) que o investidor vai receber caso carregue o título até o vencimento.

A taxa variável, por razões óbvias, não é conhecida no momento da compra. É a correção monetária do título, calculada pela variação do IPCA durante o período de investimento.

Aprenda em detalhes como calcular a rentabilidade do Tesouro IPCA:

Rentabilidade = (1 + taxa fixa) * (1 + IPCA) – 1

Utilizando os dados de nossa simulação acima, ficaria assim:

Rentabilidade = (1 + 7,00%) * (1 + 7,56%) – 1

= (1 + 0,07) * (1 + 0,0756) – 1

= 1,07 * 1,0756 – 1

= 0,1508

Rentabilidade = 15,08% ao ano

Diferença entre o Tesouro IPCA com e sem juros semestrais

O Tesouro IPCA devolve todo o valor aplicado somente no vencimento do título (principal + juros e variação do IPCA).

Já o Tesouro IPCA com juros semestrais, como o nome sugere, paga os juros do período a cada 6 meses, mantendo o montante principal aplicado para ser devolvido corrigido pela inflação no vencimento do título.

Assim, quem investe nesse título recebe um fluxo de pagamento semestral, pagamento esse que é chamado de cupom de juros.

É possível também diminuir a frequência de pagamento dos juros, comprando títulos com vencimento em meses diferentes.

Funciona assim:

Todos os títulos públicos indexados ao IPCA, independentemente do ano, vencem em maio ou agosto.

Os títulos que vencem em maio pagam juros nos meses de maio e novembro de cada ano, até o vencimento do título.

Já os títulos que vencem em agosto pagam juros nos meses de fevereiro e agosto de cada ano, também até seu vencimento.

Desse modo, comprando títulos com vencimento em meses diferentes, você receberá juros em frequência trimestral: fevereiro, maio, agosto e novembro.

Quando escolher o Tesouro IPCA ou o Tesouro IPCA com juros semestrais?

Enquanto o primeiro visa o acúmulo de capital até o vencimento do título (sem retiradas), o segundo permite gerar um fluxo de caixa com saques periódicos.

Logo, se o seu objetivo for acumular dinheiro para desfrutar na aposentadoria, o Tesouro IPCA é o mais indicado.

Quando chegar a hora de se aposentar e você receber todo o montante investido mais os juros e o IPCA do período, você poderá reinvestir todo o valor no Tesouro IPCA com juros semestrais, conforme a estratégia que expliquei acima.

Agindo dessa forma você estabelecerá um fluxo de caixa trimestral de recebimento de juros e continuará mantendo seu patrimônio protegido da inflação.

Por outro lado, se você já possui um bom dinheiro acumulado e precisa gerar caixa agora, o Tesouro IPCA com juros semestrais é uma escolha melhor.

Tem o tempo ao seu favor? Escolha o Tesouro IPCA e desfrute do poder dos juros compostos.

Precisa gerar renda agora? Escolha o Tesouro IPCA com juros semestrais. Compre títulos com vencimento em meses diferentes, na mesma proporção, para garantir o recebimento trimestral.

Você considera o recebimento trimestral desse complemento para a aposentadoria um inconveniente? Então pense comigo o que parece ser mais vantajoso: receber R$ 4 mil reais por mês ou R$ 15 mil por trimestre? Que escolha você faria?

Qual data de vencimento escolher?

É muito importante que você defina datas para seus objetivos financeiros. A escolha do título ideal depende disso.

Jogo do 1 erro

Jorge quer juntar dinheiro para daqui a quatro anos dar entrada em um imóvel. Um amigo do Jorge explicou que o título público é a aplicação mais segura que existe – desde que entendido o seu funcionamento -, e então Jorge resolveu aplicar.

Jorge se encheu de confiança. Abriu conta na corretora e comprou o título que apresentava a melhor taxa de rentabilidade no momento, o Tesouro IPCA 2035, para ter a garantia de manter o poder de compra e ainda conseguir uma boa rentabilidade real.

Qual foi o erro do Jorge?

Foi aquilo que é o único risco que existe ao se aplicar em títulos públicos: Jorge não entendeu completamente como os títulos públicos funcionam, e mostrou isso quando investiu em um ativo de longo prazo, com vencimento em 2035, para um objetivo de prazo muito menor (48 meses).

Por um atalho de interpretação é muito comum que as pessoas observem apenas a taxa de juros, se esquecendo do prazo do investimento.

A tabela abaixo apresenta os títulos indexados ao IPCA disponíveis para compra em 15/02/2016. Observe que os títulos com vencimento mais distantes possuem maior rentabilidade real (chamada de taxa de compra).

como vencer a inflação

ATENÇÃO! ATENÇÃO! Você só tem a garantia de receber a rentabilidade prometida no momento da compra se manter o título até o vencimento. Ao vendê-lo antes do vencimento, poderá até perder dinheiro.

Por isso não se assuste se você consultar seu extrato antes do vencimento e descobrir que possui valor inferior ao que aplicou. Essa situação é perfeitamente normal. Lembre-se que você deve manter o título até o vencimento para garantir a sua rentabilidade.

Agora você entendeu porque o Jorge fez uma escolha errada? Ele terá de vender o título daqui a quatro anos, muito antes do vencimento, e poderá perder dinheiro com isso.

Melhor teria sido ao Jorge investir no Tesouro IPCA 2019, este sim em prazo compatível com seu objetivo, sem quaisquer riscos de perdas.

Concluindo…


Investir nos títulos públicos indexados ao IPCA é uma atitude inteligente e que está ao seu alcance para se proteger da inflação.

Além de verificar a taxa, verifique se o prazo do título pretendido corresponde ao prazo do seu objetivo.

No caso do Tesouro IPCA, quando você pretende resgatar o dinheiro? No caso do Tesouro IPCA com juros semestrais, por quantos anos você pretende receber os juros?

Se tomar esses cuidados você não correrá riscos.

Você já definiu que vai se aposentar até 2035? O título ideal para esse objetivo é o Tesouro IPCA 2035.

Você quer comprar um imóvel a vista até 2024? Então o título que você deve escolher é justamente o Tesouro IPCA 2024.

Você quer comprar um carro a vista até 2019? O seu título é o Tesouro IPCA 2019, claro!

Esses são só alguns exemplos. O importante é que você entenda como manter o poder de compra do seu dinheiro. Não é isso que você e todo mundo quer?

Lembre-se que controlar a inflação não depende da sua vontade, então você deve aprender a jogar o jogo, indexando seus investimentos para se proteger da desvalorização da moeda. Esse é um conhecimento que os ricos possuem e aplicam com frequência, e você agora pode aplicar também!

Chegou o momento da sua decisão! Você que não aplica em lugar algum, aplica na poupança ou mesmo em títulos de capitalização, tem uma escolha a fazer:

#1: Não fazer nada e comprometer seu futuro financeiro (não fazer nada também é uma escolha!);

#2: Migrar seu dinheiro para aplicações que garantam rentabilidade real, sempre acima da inflação.

Faça sua escolha e para mais detalhes acesse os links do artigo ou tire suas dúvidas aqui mesmo pelos comentários do blog.

Abraços e até o próximo artigo!

  • Oi Lucas, se a poupança for vinculada à conta-corrente ela certamente funcionará com o resgate automático, isto é, se você não tiver saldo na sua conta-corrente, o banco automaticamente vai retirar o dinheiro da sua poupança para cobrir as suas compras ou saques. Pode ir na fé que vai funcionar, rs.

  • Lucas

    Falando nisso, esses dias ligaram do banco sugerindo eu fazer uma conta-poupança vínculada a conta-corrente…Questionei se eu poderia fazer isso que você falou ( transferir tudo para a poupança, e utizá-la como se fosse uma conta-corrente, através do resgate automático ) e o cidadão me falou que não servia pra isso…Hehehe, vai entender.

  • Olá Lucas, pelo fato de no Tesouro Selic ser possível resgatar o dinheiro a qualquer momento, sem risco de perda de capital. Acabo de escrever um artigo sobre o Tesouro Selic. Depois me conta o que achou e se tiver alguma dúvida é só escrever.

    http://conhecimentofinanceiro.com.br/2016/06/13/tesouro-selic/

    Forte abraço!

  • Com uma conta eletrônica você poderá deixar dinheiro na sua conta-corrente e não será cobrado por isso, mas também não ganhará juros. Por isso vale a pena transferir tudo para a poupança, e utizá-la como se fosse uma conta-corrente, através do resgate automático.

  • Lucas

    Entendi, Tesouro Selic em conjunto com a poupança.

    Obrigado.

    Só ficou uma dúvida. Sobre que vantagem o Tesouro Selic é melhor que o IPCA+ Juros Compostos para essas situações de reservas emergenciais ?

  • Lucas

    Só que as taxas sobre os serviços de manutenção dos banco continuam acontecendo na sua conta corrente ? Isso pra quem ainda não usa internet banking.

    Então a melhor forma mesmo de se livrar dessas taxas e não deixar dinheiro parado na conta corrente é ter uma conta digital com o valor todo na poupança e habilitar o resgate automático.

  • Não é necessário encerrar a conta corrente Lucas (na realidade isso nem é possível). Você pode colocar o dinheiro na poupança e a cada compra que realizar no cartão de débito, ou a cada saque no caixa eletrônico, o banco vai transferir o dinheiro da sua poupança para a conta corrente, de forma instantânea e automática.

    Para funcionar desta forma você deve habilitar o resgate automático na sua poupança. Isso pode ser feito no internet banking ou direto na agência.

    Abraço!

  • Fico feliz que gostou do artigo Lucas.

    Por sua descrição este valor que você possui é a sua reserva de emergência, então você está correto em buscar uma aplicação que lhe garanta segurança e liquidez. Com toda certeza a melhor opção para esse objetivo é o Tesouro Selic. Recomendo que leia este artigo aonde falo sobre o tema. Lá tem uma estratégia bem interessante para o seu caso.

    http://conhecimentofinanceiro.com.br/2015/09/23/reserva-de-emergencia/

    Grande abraço!

  • Lucas

    Qual o caminho para utilizar a poupança como conta corrente ?

    Tenho um valor parado na conta corrente e não tenho conta poupança….Teria que abrir uma conta poupança, transferir todo o dinheiro da corrente para poupança e pedir o encerramento da conta corrente ?

  • Lucas

    Olá Rômulo !

    Já li muitos artigos em outros sites, mas não tão esclarecedor quanto a esse. Parabéns !

    Gostaria se possível, de te pedir uma recomendação acerca de que aplicação(ões) serviria pra esse caso. Não consigo identificar a mais adequada.

    A situação é a seguinte: Nunca fiz nenhum tipo de investimento. Tenho em torno de R$23.000 na conta corrente, que não será aumentado, devido a no momento estar desempregado. Futuramente pretendo fazer uma faculdade e usar desse dinheiro daqui à 3-6 meses, descontados de em média R$ 600,00 por mês, até conseguir um estágio/emprego e ter novamente uma remuneração mensal.

    Então minha preocupação é não deixar o dinheiro parado no banco, perdendo poder de compra devido a inflação, sendo que não vou poder fazer aplicações mensais e ainda que eu possa resgatar em no máximo 8 meses.

    Se tiver um pouco de rendimento, melhor ainda. Mas estou priorizando a Segurança e Liquidez diante da situação que estou vivendo no momento.

    Que conselhos pode me dar ? Seria esses do artigo (IPCA+ com Juros Semestrais ou Tesouro Selic) ou tem outros melhores ?

  • Victor,

    Para a poupança funcionar como uma conta corrente você deve habilitar o resgate automático. Toda vez que você usar o cartão de débito o banco vai transferir o dinheiro da sua poupança para a conta corrente. Esse processo é automático e ilimitado.

    Por exemplo, digamos que você tenha R$ 50,00 na conta corrente, R$ 100,00 na poupança, e realize uma compra de R$ 70,00. O banco vai transferir R$ 20,00 da sua poupança para a conta corrente e em seguida debitar R$ 70,00 da conta corrente. A poupança ficará com um saldo de R$ 80,00 e a conta corrente zerada.

    A melhor alternativa para superar a inflação e manter boa liquidez é o título público Tesouro Selic. Este é o único título público que você pode sacar o dinheiro em qualquer data, sem risco de perdas, mas vai precisar de pelo menos dois dias úteis para ter o dinheiro na mão.

    Para liquidez imediata não existe alternativa melhor que a poupança. É a única vantagem dela, por isso recomendo que seja usada somente como uma conta corrente.

    Grande abraço!

  • Victor Augusto

    Tenho algumas dúvidas!

    A poupança funciona exatamente como uma conta corrente? Não existe limite para uso do cartão de débito ou saques ou algum tipo de restrição que comprometesse a liquidez?

    Qual seria a melhor alternativa com relação à poupança se o objetivo fosse superar a inflação e ainda manter alta liquidez?